09 novembro 2005

Sou fonte de vida

Sorvo a vida pelas pedras da calçada

E nas esquinas,

Absorvo o elixir da humanidade!

Onde os outros caminham sem caminhar,

Onde os outros olham sem olhar.

Trepo-me a mim próprio para me sublimar,

Clono o mérito alheio e consciencializo-o.

Mas quero mais.

Quero sempre mais.

Alcanço por cima dos prédios,

Ultrapasso os montes e vou até às montanhas.

Subo ao zénite, desço ao nadir.

E ainda não chega.

Sinto em mim a essência de ser

Que não é mais que amar viver.

Lutar por merecer cada acordar,

Até não querer mais que descansar.

E no entretanto,

Brindar!

6 comentários:

susana disse...

Que bonito!
E tem um forte cariz impetuoso. Costelita nortenha?

:)

nando disse...

ihihi... que fofa!
Tenho várias costelitas nortenhas, mas estou em Lisboa há tanto tempo que acho que se esqueceram de tudo.
:\

susana disse...

menos do FCP, certo?

nando disse...

Ah... o FCP...
Nada! Desse nem costeleta.
:\
Viva o Glorioso!

susana disse...

Seja... Viva o fairplay!

nando disse...

E a selecção. ;)