26 agosto 2008

Às 2 da manhã, os meus pepinos transforma-se em dosiers e por qualquer razão isso hipnotiza toda a gente (leia-se: "eu")

...ou "séries há muitas".


Há muitos, muitos anos, a televisão dava o "Dear John", que chegava a casa de um dia de trabalho e encontrava apenas uma carta da suposta mulher que começava por "Dear John, When you read this letter I'll be long gone". E o John ia para um grupo de apoio a divorciados, vivia as desventuras dele e nós assistíamos, mais ou menos interessados.

Mais tarde vieram os primos. Um da cidade, outro de um sítio logo depois do "fim do mundo". E sempre que alguma coisa de boa acontecia tapávamos os olhos enquanto o inocente e norte-americano pacóvio celebrava com a famosa "dança da alegria". Estes eram os tempos simples.

Entretanto apareceu um carro que falava, saltava e andava em duas rodas. Ficção científica, sem dúvida, mas ainda assim, imaginável. Passados estes anos todos ainda não há carros bem assim, mas ninguém duvida que lá se chegará. Se hoje me dia há gente no Metro com uns auscultadores mínimos a falar para o outro lado do Mundo... carros que saltem hão-de estar a um salto...

Houve também um MacGyver, que construía bombas de pastilhas elásticas e asadeltas de sacos do lixo e canos velhos... Para quem nada percebe de química nem de física, aquilo parecia tudo bem real. Ou pelo menos, nada de sobre-humano. O homem tinha sorte. Sempre que precisava de cloreto de potássio*, fechavam-no na cozinha de um restaurante (sim, sim, cloreto de potássio é o única expressão de química que conheço...). E ele lá conseguia temperar a carne, mesmo a tempo de salvar o Mundo...

Desconfio, embora não tenha a certeza, que foi com o DragonBall que o mundo das séries televisivas não voltou a ser o mesmo. E cada vez mais estou a ficar velho para acompanhar o ritmo da imaginação estapafúrdia destes guionistas. Nem seis meses de "férias" lhes valeram.

Primeiro alguém resolveu que ir para a prisão salvar o irmão e tentar fugir com o mapa tatuado nas costas dava para fazer dúzias de episódios - quando o Sean Connery (78 Verões, não se esqueçam de lhe dar os Parabéns) escapou de Alcatraz em 136 minutos. E o que é que isto tem a ver com o DragonBall? Bem, quem viu aquelas cenas de porrada frenéticas e viciantes, em que um murro demorava entre quatro a seis dias a ser dado, sabe bem do que falo... Já vi fugas da prisão relatadas no telejornal em 20 segundos... Como é que esta gente consegue fazer render o peixe!? Ah, sim! Claro... e depois temos nova temporada, após a fuga... (já cá fora!, finalmente!...)

Mas há pior, claro. O auge era para mim a série sobre meia dúzia de tipos que caiem numa ilha. Porque normalmente é isso que acontece... Os aviões despenham-se do céu e há gente a cair ilesa. Numa ilha deserta. Que afinal não é deserta. E afinal, não foram só meia dúzia, deve ter sido aí metade do avião. E a ilha está cheia de gente. E de instalações militares, aborígenes e espirituais. E acontece tudo naquela ilha. Qualquer coisa entre "Triângulo das Bermudas" e "Ilha da Fantasia" (lembram-se desta, onde até havia um anão e tudo, mas onde, embora a fantasia reinasse no título, estava a anos-luz de "Lost"?...). Quem é que se lembra daquelas coisas?

E não pensem que me esqueço dos "Ficheiros Secretos". Aí pouco trabalho houve para a imaginação. Apenas uma colecta mais ou menos elaborada de mitos urbanos, histórias do papão e velhas lendas. Interessante, sem dúvida. Extra-terrestres (filmados desde que existe cinema), implantes debaixo da pele (não metem isso nos cães hoje em dia?) e abelhas assassinas (terão apanhada a gripe das aves?) têm a sua piada, trouxeram para o mainstream uma série de culto... mas são aprendizes perto das loucuras que hoje passam no móvel central da sala.

Reparem que isto não é uma crítica aos guionistas. Pelo contrário, cada vez mais me convenço que se eles quiserem prender-me em frente à televisão a ver alguém recitar poesia Haiku a partir de pepinos... conseguiam. Aliás, depois do que assiste hoje, já pouco deve faltar... Duas horas, completamente vidrado na história de um fulano que tem... uma chave. E seja qual for a porta onde ele a insira, vai parar a um quarto de um Motel. E a história é isto. Depois há detalhes, como a filha ter desaparecido nesse quarto e ele andar à procura dela. E o cientista da polícia, personagem cuja modelagem não existe (perfeita caricatura). O amigo muito mal representado... etc., etc.. Resultado: já meti o resto da série a gravar.



*Corrigenda: pensava, é claro, em cloreto de sódio, como bem apontou a Eva nos comentários...

24 comentários:

Ti disse...

looool
Completamente viciado em séries é o q tu és :P

susana disse...

Pois Ti... como é que ele consegue ver isto tudo? E o carro de duas rodas, era o Herbie (juro que não sei se este nome é exacto) ou o kit?
Tenho a dizer que no que toca a sérias que decorreram até ao fim do curso ainda fui percebendo, agora, quando entraram as mais recentes perdi-me. De algumas só sei o título. Nem vos digo quanto tempo demorei a perceber, em sistema de zapping, que raio era aquilo do "Lost".
Cada vez vejo menos televisão... e vou-me fixando na fox, até adormecer no sofa. Isto sempre que abandono o Gabriel (o meu amante actual, que escreveu um calhamaço fantástico!) ou que não estou no Blog a escrever um chorrilho de disparates que alguns, vá lá eu saber porquê, têm a pachorra de ler.

nando disse...

Ti: Eu viciado!?... Nem cheguei a falar das minhas preferidas... :P

Susana: eu tenho MEO... ponho lá o nome da série e aquilo grava. Depois em vez de ver o que seja que está a dar e não interessa, vejo o que gosto. :)
Pois eu também nunca segui o Lost. E não leio livros "não técnicos" há imenso tempo... Mas tenho lido uns bloguitos... ;)

susana disse...

Não perca o hábito de ler. Eu quase deixei de ler (não técnico) durante os 5 anos da minha tese e isso fez-me muito mal. Agoro ando outra vez a devorar tudo o que me aparece à frente (estou a falar de livros, claro!).

nando disse...

Livros, claro (que mais poderia ser?... BigMac's? :P )
Eu leio livros técnicos, embora não necessariamente sobre a minha área. Ficção tem sido mais raro. Mas gosto. Temos sempre de fazer opções, não é?... ;)

susana disse...

BigMac's? Credo, que até me pôs mal-disposta. Odeio Macs!
Opções... é, é... e eu com os exames por corrigir!

eva disse...

Eu ando completamente a leste da tv e afins... Mas esta retrospectiva deu para recordar algumas séries que em tempos vi... e não sei como tive uma pequena fase vidrada no DragonBall (agora penso, que horror!!!...)
Como vejo pouca tv, agora até posso dizer que o meu programa preferido é mesmo a publicidade, já que os programas propriamente ditos são o intervalo dos anúncios...
Ah, e só mais uma coisa, a carne tempera-se com cloreto de sódio :P

nando disse...

Susana: cheira-me cá que esses exames estão cheios de vontade... ;)

Eva: Ora querem lá ver que nem uma expressão de química ficou... ihihi, fui ver na Wikipedia... Cloreto de potássio é sal light... mas com a minha aversão a produtos desta laia, acho que foi pior a emenda que o soneto... Lá terei de fazer a correcção... :)
Quanto à publicidade... agora com o Meo, já nem sei o que isso é... :)
Meo Capitan, Meo Capitan! :)

susana disse...

predujicar é muito mau... ALGUÉM QUER CORRIGIR OS MEUS EXAMES?

nando disse...

Coitados... Como uma "professora- mulher-do-norte" devem tremer que nem varas verdes no dia do testesito... Até as letras se trocam... :P

susana disse...

Eu tenho que ler estas coisas às 2:10 da manhã...
"A adaptação ao meio aquatico definese equilibrio, respiração, e propulsão."
É, eu devo pô-los com uns "nerbos"...

eva disse...

Hum... depois do que li acho que vou deixar de pôr cloretos na comida, sejam eles quais forem :( Posso ficar muito "predujicada"!!!! eh, eh, eh...

tresdetrinta disse...

Vim espreitar este blog e parti-me a rir com o post sobre as séries. Percebo-te perfeitamente quando falas do prison break e do lost. Nunca percebi a febre dessas séries. A segunda então parece-me sempre uma tanga pegada. Mas se calhar não se entra logo às primeiras (e é verdade que só vi dois episódios). A única coisa que te esqueceste de reparar (e isto é mesmo coisa de gaja) é que podem não ter carros a falar mas têm gajos "muita" giros (e gajas também). O que rende - e muito.
E também houve (ou há) a série Erva e o Californication, às 2ªf, que matavam logo dois coelhos de uma cajadada só.
Apesar de gostar do lado altamente subversivo que estas duas séries tinham - que não é nada normal numa série americana -, para o fim já não se aguentava de tanto cliché (ofatal e eterno erro das séries americanas).
Mas o que conta é que eu estava agarrada. E que também era bem provável "prender-me em frente à televisão a ver alguém recitar poesia Haiku a partir de pepinos". Desde que tenha qualquer coisa de sexual... pois não se aguentam séries sem envolvimentos quentes.
Vou começar a passar por aqui. R.

nando disse...

Susana: havia um livro muito giro, já com muitos anos, chamado "A História de Portugal em disparates", escrito por professores de História... conhece? Ou imagina o conteúdo? lol
:)

Eva: olha que os cloretozinhos são indispensáveis! Salgam a vida! :P

TresDeTrinta: acho que afinal não vejo séries suficientes, porque nem Erva nem Californication... Quanto ao resto... Ah, para os homens a coisa é um pouco diferente, sabes... Há-de haver sempre uma série sem rival nessa matéria. Ainda me lembro de um dia um colega meu na faculdade (quantos anos isto já leva) contar que tinha ficado uma hora a olhara para o écran a ver aquilo em alemão. Sem perceber uma palavra, claro. Mas isso não interessava nada. Porque, em alemão, russo ou chinês, "Marés Vivas" há-de ter sempre um lugar especial no nosso coração... ;)

Ti disse...

"Marés Vivas" há-de ter sempre um lugar especial no nosso coração... loool...no coração pois! :D

E não vês a Erva? tss tss ;)

eva disse...

Pois, salgam a vida! E põem a tensão arterial lá no alto :P

E agora, mesmo a propósito de séries, a ver se alguém se lembra de inventar os "Morangos com sal"... Assim pode ser que a coisa mude um bocadinho, pelo menos o título, para não enjoar tanto, nem que seja quando se vê a publicidade...

susana disse...

Não conheço, mas estou a imaginar! Também saiu há pouco um de um médico qualquer com o conteúdo de algumas questões de alguns doentes...

Quanto a séries... podem mudar para séries mais antigas? Estou a ficar deprimida... O que é a Erva? E Marés Vivas? Eu já era crescidinha... buááá´...

Arco Íris disse...

Sabes que eu sou fã assídua do Prison Break e do Lost???? lool!

nando disse...

Ti: Hmmm... parece que vou ter de me tornar mais ambientalista... ;)

Eva: só em excesso... só em excesso. O segredo está nos equilíbrios... Quanto aos moranguitos... Acho que a TVI vai continuar a ser uma adolescente problemática. Por longos anos... ;)

Susana: Iiiihhh, eu vi um bocadinho desse (penso eu...). Mas esse é mauzinho... a rir-se dos pobres doentinhos... Os estudantes podem ser gozados, porque andam lá precisamente para não dizer aquelas barbaridades... (Além disso, acabam por não ser só os alunos os visados, né? :P ihihih)
Quantos às séries, estamos à espera das dicas... Dallas? Zorro e o seu amigo índio (Away, Silver!!)?... Ou "Twilight Zone", "O Fugitivo", Hitchcock e "Os vingadores" (tudo nas versões a preto e branco, claro!) ;) :P

Arco Íris: Ai se o Bon Jovi sabe que tem concorrência... :P

Joaquim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
susana disse...

Então e a família Belamy? Buáááá!

nando disse...

Pois... esta tive de ir procurar! Parece que foi vista por mais de um bilião de pessoas... E que foca alguns aspectos históricos... Como a Primeira Grande Guerra... :P (garanto que é o que lá diz...)... lol
Para ser honesto, devo ter visto alguma coisa, pois reconheci algumas personagens no YouTube :)
Mas, mesmo assim, parece-me que não entrava no meu TOP5 de séries mais fantasiosas... :D

susana disse...

Eu também era pequenina, menina de escola primária. Mas já era... Aqu há tempos vi um replay qualquer, talvez na RTP memória e, como sempre nos acontece, não percebi como, há anos atrás, via a série com algum interesse.

nando disse...

Eu revi os "Vingadores a Cores"! E... pois não era bem a mesma coisa. Mas ainda assim vi bastantes episódios!
:)