19 setembro 2008

Épocas de vida

Um dia, por entre criancices, reparei na quantidade de cortes que tinha nas mãos. Nesse dia apercebi-me que tinha "memória". Que havia histórias e acontecimentos que se tinham passado. Que intercalados por dias de escola, trabalhos de casa e a perene dúvida do que seria o almoço... haviam marcas na pele e no peito que me diziam que vivia.

Demarquei ali, pela primeira vez, uma época: a primeira época de vida, a da meninice, acabava quando começava a minha história. Quando entre os dias que passavam sempre iguais, consegui mostrar os golpes nas mãos de alguns que custaram mais a passar... porque só as crianças não têm memória.

Hoje acho que me apercebi do fim da segunda época. Daqui a alguns anos terei de ver se tinha razão.

8 comentários:

MAF disse...

eu cá tb me apercebo que tenho memória, não pelos cortes das mãos, mas pelos riscos que me aparecem no canto do olho quando mostro o dente....

nando disse...

Mas esses não te lembras como os fizestes... lol
:P

MAF disse...

lembro lembro....
tenho memoria de girafa ;)

nando disse...

Aha... Memória de cabeça nas nuvens?... logo me pareceu...
:D

angelasoeiro disse...

Eu vejo essas coisas pelos joelhos, não pelas mãos! :)
E o que te fez ver que tinha chegado ao fim a segunda época?

nando disse...

Pelos joelhos?... Eu, na altura, tinha essencialmente golpes de canivete nos dedos. E de facas de cortar o pão... ;-)
É verdade, as minhas impressões digitais são ainda mais únicas que o normal... lol :P

poupinhas disse...

Nando, eu tenho marcas nas mãos, nos pés, nos joelhos, nas costas, na cara.. era uma autêntica maria rapaz.. lembro-me de todas porque tenho memória desde os meus dois anos.. Como sei? Lembro-me do meu avô

nando disse...

Eu lembro-me de coisas bem antigas... Provavelmente antes dos dois. Mas aos dois não me lembrava que me lembrava delas! Got it? lol
:P
:-)