06 outubro 2008

A matter of faith

It seems some scientists have found that faith can help ease the pain (or, at the very least, some tabloids seem to think so…). This is not entirely new, nor entirely true… or at least, one’s “faith” in this kind of discovery should be filtered by prior studies in this matter. Namely one, also reported by the media, where it was found that praying for someone would help sick people heel faster. Meanwhile, more recent evidences found no such relation – in fact it was noted that, although without statistic meaning, more heart patients who prayed had died, than those who did not… But, as always, how can one be sure their prayers were not, in fact, listen to?...


I must begin by stating clearly that today’s theory has nothing to do with God or His existence. It is limited to the faith itself. Faith is, for me, an evolutionary advantage. That does not mean it is a false believe. It just explains how it could be false, and nevertheless be felt as true. In other words, how could so many, believe in something so strange… other than, because it is true? Well, this is how.

Faith is a true and measurable evolutionary advantage. Even if one discusses the effects of faith in pain (and I am sure there will be many willing to engage in that discussion)

there is no doubt that those who believe have an easier life. Thinking God works in mysterious (and not to be understand) ways, is certainly easier to deal with than just realizing one’s impotence against all bad things that happen every day. Any idea of after-life is certainly more helpful to one’s sanity that the concept of a few years of conscience… and then nothing.



The explanation is tied to some ancient times, when a so-called Darwin Law was still biding among us humans. At that time there existed several different types of humans: the ones with eyebrows, and the one without; the ones with faith, and the ones without. The ones with eyebrows would eat more, because when they were out hunting, running and climbing, their sweat would follow the eyebrow, dropping by the side of the face; the ones without eyebrow, on the other hand, would have their vision blurred all the time, since the sweat would fall directly into the eyes. The same way, those with faith would be more immune to emotional trauma. They would have social activities to celebrate their faith, they would return to their normal activities faster after a death, and they would be more motivated, since they believed someone “up there” would take care of them.



As you might already have guessed it, we are the great-great...great-sons of those with eyebrows and faith.

13 comentários:

eva disse...

Questão complicada! De facto, a fé é inerente à vida. Em alguma coisa se terá de acreditar para se aguentar. Algo terá de existir para as pessoas se agarrarem... Quanto mais não seja, esperança! E aí, claro está, a esperança que a dor vai passar e que não se está "sozinho" quando o pior acontece! A fé é uma forma de se estar mais "confortável" e confiante! Ao mesmo tempo, para a sobrevivência, as características físicas tb têm de estar desenvolvidas de certa forma. É um misto, como em tudo na vida!

Ti disse...

Survival of the fittest or natural selection... in a social darwinism perspective... very good, Nando, very good indeed :)

susana disse...

Não li nada disto ( ainda!). Só para deixar a palavra mágica: Belani.
Agora quero ver queixas ao serviço personalizado. Qual google reader, qual quê!!

alguém+ neste mar de gente disse...

querido, gosto muito de si, mas escrever tamanhos temas e postes em inglês maça o já fatigado leitor :)
concordo. para mim a fé é isso mesmo, racionalmente falando. mas quando a fé se entranha passa a ser algo mais... passa a ser religião. e é isso que fica institucionalizado - em sociedade e em coração ;)

susana disse...

nandinho: concordo com a blyeur acima: temas e postes em inglês maça o já fatigado leitor :)
Ainda não li... mas eu volto!

mpc. disse...

o texto em inglês foi certamente para dar uma conotação respeitável e científica ao blog... se fosse no meu seria por pura e simples preguiça de traduzir! :)

Decidi finalmente retribuir os seus comentarios ao meu blog... com a devida vénia!

O texto tem, de facto, um quê de verdade... o importante é acreditar em alguma coisa, seja ela a religião, a cultura, os valores ou simplesmente nas pessoas. A meu ver, a fé por si só não é o bastante para a "cura", mas que ajuda, isso ajuda!

susana disse...

Faith in me...

nando disse...

Eva: «Em alguma coisa se terá de acreditar para se aguentar. Algo terá de existir para as pessoas se agarrarem...» Eu estava precisamente a tentar dissociar estas duas ideias. Acreditar e seus benefícios, por um lado, e exisitr, por outro... ;-)

Ti: how nice! (havias de ver, quando falo mesmo a sério!!!, lolol) :P

Susana: Serviço personalizado... Isto é um privilégio... ;-)
V. infra, nota final;
Quanto à faith em ti... You Go Woman!
:P

Alguém+Neste Mar de Gente: V. infra, nota final; quanto ao resto, é tudo verdade! Aqui discute-se o porquê da fé. Agora o que cada um sente e a importância que lhe dá... À religião talvez ainda cheguemos... ;-)

MPC.: ora nem mais! Ponham os olhos nisto: «uma conotação respeitável»! É isso que faz falta aqui!!! :P
Será que a fé não é o bastante para a cura?... Talvez. Mas, muitas vezes, a fé é o bastante para a doença... ;-)


Nota final: por fim, a pedido de muitas famílias, decidi diminuir o post para duas colunas. Fica mais pequeno e cansa menos os olhinhos. Alguém quer ler outra vez? lolol
:P
(e promete-se levar tal aspecto em consideração em novos textos!)

alguém+ neste mar de gente disse...

ahaha agora parece um dos muitos artigos que tenho de ler para a minha tese :p podes imaginar o impacto que dá não é... FUJAM FUJAM, MAIS UM ARTIGO CIENTÍFICO À VISTAAA!! lol

gir@f disse...

Vê-se mesmo que estás de ferias caraças!!!!!vá agora diz lá que não sabes quem é e coisa e tal

Ti disse...

Assim em colunas fica c um ar ainda mais científico, Nando... qual "paper" da Nature! ;)

eva disse...

Pois, está bem... mas acaba por ser tudo indissociável!
Tb gosto do texto em colunas... lê-se melhor :)

nando disse...

Alguém+Neste Mar de Gente: ai que eu coro... :P

Gir@f: Mas quantos nomes é que tu tens, pah!? Já pareces alguém que eu conheço... mas enfim, não varias assim tanto, sempre se reconhecem as manchas... :P

Ti: oho! E quando eu for famoso por estas minhas teses e este blogue tiver milhares e milhares de visitantes em busca das minhas teses... eu bato com a cabeça na esquina da mesinha de cabeceira e acordo. Ah... ;-)

Eva: Aí é que está... não é indissociável. Por um lado a esperança é necessária; mas a realização dessa esperança não. É bom crer em algo, mas isso não significa que algo exista... Consequências desta diferença?... nos próximos capítulos, lol!!! :P