08 dezembro 2008

(inspirado pelo André Sardet...)

Letras batidas, frases esquecidas
Por trás de um ecrã, a sorte,
De ser quem é, ou se finge,
Nas palavras lançadas do Norte
Ao povo, à plebe, ao blog.

De um coração perdido,
Por erros e caminhos repetidos.
Muralha construída é carcaça
Peso morto que protege
Peso morto que persegue.

Sente-se a menina,
Nas certezas fingidas,
Pressente-se mulher
Nas inseguranças assumidas.
E é bela por baixo da pele.
Mas a pele é grossa como o Mundo
Que tanto a cortou e magoou.
Que tanto a desabraçou.

Terás, mulher, em ti o segredo
De voltar a ser menina?
Terás, menina, em ti a força
De crescer e ser mulher?

6 comentários:

eva disse...

Fiquei com vontade de ler mais poemas teus! :)

nando disse...

:-)
por aí mais 2 ou três...
:-)

Vanessa Barata disse...

... Seria demasiada parcialidade se eu dissesse que é o poema mais bonito jamais feito por ti?! :P...

nando disse...

Vanessa!: claro que seria!!!... Mas enfim, como fiquei todo babado, vou deixar passar... ehehehe :D

alguém+ neste mar de gente, disse...

muito bonito!

nando disse...

:-)
Obrigado...